O G20 ainda é importante?

Reunião do G20 em Osaca: problemas reconhecidos, soluções sempre adiadas Foto: Reprodução

Quando os líderes do G20 realizaram sua primeira cúpula no final de 2008, muitos saudaram o que parecia ser um novo e diversificado fórum altamente representativo para a criação de soluções comuns para problemas globais. O grupo se saiu bem ao responder à crise financeira global e, por um tempo, seu surgimento como um fórum para a coordenação de políticas internacionais pareceu um dos únicos revestimentos de prata daquela confusão.

Eu estava certamente entre os que aplaudiam as conquistas iniciais do G20. Desde 2001, quando identifiquei a ascensão dos países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) como uma característica fundamental da economia mundial do século XXI, pedi uma grande reformulação das estruturas de governança global. Como argumentei na época, o domínio continuado do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos) estava cada vez mais fora de sintonia com o mundo complexo do início dos anos 2000. Até hoje, a exclusão do G7 da China é uma omissão gritante, agravada pela presença de tantos países europeus, a maioria dos quais compartilha uma moeda e cumpre as mesmas regras de política fiscal e monetária.

Infelizmente, após a cúpula do G20 em Osaca, no Japão, no mês passado, não posso deixar de me perguntar se esse encontro também perdeu seu propósito. De fato, o único ponto relevante que resultou da cúpula foi um acordo à margem entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente da China, Xi Jinping, que intermediou mais uma “trégua” na guerra comercial de seus países.

Parte do problema, é claro, é que a governança global em geral tem sido marginalizada, agora que os EUA abdicaram de seu papel como guardião da ordem internacional. Mas também há problemas com o próprio G20. Por um lado, o grupo parece um veículo apropriado para facilitar o diálogo global. Seus membros representam cerca de 85% do PIB global e abrangem a maioria das principais economias emergentes, incluindo aquelas que não adotaram a democracia liberal de estilo ocidental. Com exceção da Nigéria, a maior economia da África e país mais populoso, os países que se espera ter um assento à mesa fazem fila. E no futuro pode-se imaginar o Vietnã e alguns outros se juntando a eles.

Por outro lado, embora o G20 tenha sido muito bom em emitir comunicados grandiosos para reconhecer a existência de desafios globais, se mostrou totalmente incapaz de oferecer soluções para eles. É verdade que alguém poderia argumentar que não é realista esperar que um bando de burocratas conserte tudo o que está quebrado no mundo. No mínimo, é dever de ativistas, empresários e outros pensadores criativos pressionar e persuadir os líderes políticos sobre a necessidade de mudança. E, no entanto, quando se trata de problemas que só podem ser resolvidos cooperativamente em nível global, não há alternativa para instituições como o G20. Mesmo que os líderes políticos adotem todas as ideias certas, eles ainda precisam de um fórum para transformar essas ideias em políticas coordenadas.

Na minha opinião, existem duas barreiras no caminho do G20. Primeiro, embora seja representativo, também é muito grande. Como argumentei desde 2001, o que o mundo realmente precisa é de um G7 mais representativo , incluindo os EUA, o Japão, a União Europeia e os países do Brics. Esse novo agrupamento residiria no G20 e representaria três quartos do PIB global. Enquanto o Canadá e um pós-Brexit no Reino Unido perderiam um pouco de sua influência atual, eles não teriam menos do que países com uma situação semelhante, como a Austrália. De qualquer forma, não precisam se preocupar: não há razão para esperar uma revisão diplomática dessa escala tão cedo.

A segunda deficiência do G20 é que ele (assim como o G7) não possui uma estrutura objetiva para estabelecer metas e medir o progresso em relação a elas. Desde o sucesso inicial do grupo há uma década, sua agenda tem sido fluida, com cada país anfitrião adicionando algo novo ao mix em cada reunião anual. No caso da cimeira de Osaca, o governo japonês introduziu o objetivo dos cuidados de saúde universais.

Ninguém duvida de que a assistência médica universal é uma causa digna. Mas o G20 também não fez nada para ajudar os estados-membros a ampliarem a provisão de assistência médica. Pior ainda, o tempo gasto no discurso para esse novo objetivo poderia ter sido usado para discutir questões pendentes, como a resistência antimicrobiana, que foi adicionada à agenda do G20 em 2016. A linguagem sobre o assunto no comunicado mais recente foi notavelmente similar à da cúpula anterior, o que sugere que pouco progresso foi feito. Enquanto isso, o mercado de novos antibióticos está se deteriorando rapidamente. Sem uma resposta internacional concertada, as superbactérias resistentes a medicamentos poderiam levar dez milhões de vidas por ano até 2050, resultando em uma perda acumulada de cerca de US$ 100 trilhões na produção global. O que o mundo precisa agora é de ação, não de palavras vazias.

Deixe um comentário

Os comentários serão avaliados pela redação. Solicitamos que o debate de ideias seja mantido em nível elevado, à altura da busca de soluções para os problemas nacionais. Não se admitem xingamentos pessoais nem acusações que configurem os crimes de calúnia, injúria e difamação.

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui