A resistência do exército ao “regime” de Bolsonaro

Acuado pelo poder econômico e o Congresso, Jair Bolsonaro mudou o ministro da Saúde, agora troca o das Relações Exteriores. E desta vez contra-atacou. Tirou o general Fernando Azevedo e Silva do Ministério da Defesa e os comandantes das três Forças Armadas, contrariado com a falta de apoio explícito dos quartéis ao governo. Por que a cúpula militar resistiu à aparente tentativa de golpe, se os fardados estão com Bolsonaro desde a eleição? O que será do governo refundado e com o “centrão” no comando da articulação política?

Aldo Rebelo comenta esses assuntos em entrevista para o repórter André Barrocal, no “Poder em Pauta” da Carta Capital.

Confira!

Deixe um comentário

Os comentários serão avaliados pela redação. Solicitamos que o debate de ideias seja mantido em nível elevado, à altura da busca de soluções para os problemas nacionais. Não se admitem xingamentos pessoais nem acusações que configurem os crimes de calúnia, injúria e difamação.

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui