Os dilemas da diplomacia estadunidense para a IberoAmérica

    Resenha Estratégica – Vol. 18 | nº 33 | 25 de agosto de 2021

    Silvia Palacios e Lorenzo Carrasco

    Em meio ao declínio estratégico global experimentado pelos EUA, o governo do presidente Joe Biden explora alternativas para reconstruir as relações estadunidenses com a Ibero-América, instáveis desde o colapso do Tratado Interamericano de Assistência

    Recíproca (TIAR), quando os EUA apoiaram a Inglaterra na Guerra das Malvinas, em 1982.

    Assim como ocorre no restante do mundo ocidental, o fracasso da “Nova Ordem Mundial” e de seu sucedâneo, o programa hegemônico do “Novo Século Americano”, encontra um hemisfério frágil e em crise, em especial, com um panorama de caos institucional na América do Sul. Foi neste contexto que o governo de Biden lançou uma ofensiva diplomática regional, mobilizando as suas principais peças diplomáticas.

    Em julho, veio ao Brasil para uma visita-relâmpago o diretor-geral da Agência Central de Inteligência (CIA), William J. Burns, em uma evidente missão de “controle de danos”, algo que difícilmente seria conferido a um chefe da agência, uma provável resposta à inusitada participação do presidente Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, no mês anterior.

    O lance mais recente, no início de agosto, foi uma turnê pelos três países de maior peso político na região, Brasil, Argentina e México, com uma delegação que incluiu o conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, o diretor sênior para o Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional, Juan González, e o subsecretario de Estado para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Ricardo Zúñiga.

    De acordo com a programação oficial, os temas das visitas não trouxeram grandes novidades, além de questões gerais nas áreas econômica, ambiental, segurança, meio ambiente e cooperação contra a pandemia de Covid-19.

    Sem surpresa, a preocupação geopolítica central para a América do Sul é a tentativa de conter a presença econômica da China, reforçando a cruzada contra a participação da empresa chinesa Huawei na instalação da tecnologia de redes 5G nesses países.

    Ao Brasil, em troca do seu alinhamento, foi oferecido torná-lo um “parceiro global” da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) – o que seria um retrocesso para os interesses estratégicos brasileiros, pois o isolaria dos demais países, principalmente, da Argentina.

    Em Buenos Aires, além de enfatizar a questão do sistema 5G (menos premente que no Brasil, pois a Argentina sequer concluiu os seus planos para a área), Sullivan expressou apoio nas negociações da dívida de 44 bilhões de dólares do país com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Além disso, prometeu colaboração para controlar a pesca ilegal da China e outras nações no Atlântico Sul. O ponto mais significativo ocorreu durante o almoço na Casa Rosada, oferecido pelo presidente Alberto Fernández, no qual Sullivan anunciou um novo conceito de defesa e segurança nacional, baseado na “saúde, meio ambiente, justiça social e estabilidade econômica e financeira dos países”.

    E acrescentou: “Estamos propondo um novo pacto social. O presidente Biden busca ser uma continuidade avançada dos planos que (Franklin) Roosevelt e (Lyndon) Johnson propuseram em sua época (Infobae, 08/08/2021).”

    No México, a agenda foi um pouco diferente, tanto pela proximidade geográfica como quanto pelo acordo de livre comércio T-MEC (NAFTA 2.0), que mantém o país dependente dos interesses comerciais do seu parceiro estadunidense. O presidente Andrés Manuel López Obrador recebeu a delegação, enfatizando a sua proposta de vincular as questões de emigração e segurança a projetos de desenvolvimento econômico, especialmente, para a América Central e o sul do México. Igualmente, foi anunciado o convite para que o presidente Joe Biden visite o país no próximo mês de setembro, além do restabelecimento de um mecanismo de negociação de alto nível para a realização de projetos colaborativos entre as nações da América do Norte.

    De fato, seria bastante positivo para uma nova ordem hemisférica se a diplomacia estadunidense se engajasse realmente em uma versão aprimorada das políticas de Roosevelt, deixando para trás as suas pretensões “excepcionalistas” e abrindo caminho para a cooperação dos Estados Unidos com o resto do continente, com base no respeito à soberania dos Estados e no princípio da não intervenção nos assuntos internos.

    Ou seja, sem a prevalência da ordem hegemônica até agora reinante. Em realidade, a dissolução do TIAR, em 1982, foi o acontecimento histórico que marcou o início de uma ofensiva da superpotência estadunidense e seus aliados liberais hemisféricos contra os Estados nacionais e as Forças Armadas da Ibero-América. Este foi o propósito da criação, no mesmo ano, do Diálogo Interamericano (DI), que, desde então, tem ajudado a formular a política externa para o hemisfério, tanto nos governos democratas como republicanos, promovendo o mesmo programa supranacional das duas correntes políticas: neoliberalismo, legalização das drogas, ambientalismo, indigenismo e políticas “identitárias”.

    O seu antípoda para a restauração da ordem hemisférica seria um modelo de cooperação não muito distante do sistema de economia nacional concebido pelos fundadores da União Americana, baseado no fomento da industrialização e das capacidades produtivas do país em geral, o qual foi a base do poderio econômico estadunidense até a década de 1970.

    Um bom momento para retornar às suas origens anticoloniais, quando os Estados Unidos se tornaram independentes do Império Britânico e da ditadura financeira do Banco da Inglaterra (que adotaram depois, com o Sistema da Reserva FederaL), criando um

    sistema de crédito voltado para projetos de economia física e intensivo em inovação tecnológica. A recuperação industrial estadunidense, nesse sentido, estaria plenamente de acordo com os interesses soberanos das nações ibero-americanas.

    Este é o único futuro possível, em face do colapso desenfreado de uma ordem mundial supremacista. A alternativa seria um caos de desdobramentos imprevisíveis em escala global.

    Voltar à História, resgatar o verdadeiro passado das versões distorcidas que surgiram das chamadas guerras de independência, negar a grande origem de uma civilização mestiça, é a tarefa das nações ibero-americanas para se livrarem do colonialismo mental imposto pelo Iluminismo. Só assim, o subcontinente poderá escapar ao pior colapso institucional da sua história, com o descrédito generalizado dos seus partidos políticos e os sistemas econômicos voltados para alimentar a usura da globalização financeira. O outro caminho é embarcar em um novo caminho colonial, permitindo que experimentos “etnonacionalistas” ajudem a desintegrar as nações ibero-americanas.

    A recuperação industrial dos Estados Unidos e a retomada do projeto civilizatório iberoamericano serão, então, as duas pernas para a renovação de um sistema hemisférico de segurança e desenvolvimento.

    1 COMENTÁRIO

    1. Continuaremos colónia, pelo visto. Seria melhor termos um projeto soberano, sem atrelamento aos EUA, como feito no governo Lula

    Deixe um comentário

    Os comentários serão avaliados pela redação. Solicitamos que o debate de ideias seja mantido em nível elevado, à altura da busca de soluções para os problemas nacionais. Não se admitem xingamentos pessoais nem acusações que configurem os crimes de calúnia, injúria e difamação.

    Escreva seu comentário!
    Digite seu nome aqui