O contexto geopolítico do conflito de fronteiras entre Índia e China

Diz um ditado bem conhecido no Brasil que jabuti não sobe em árvore. Se está lá é porque alguém o colocou. O conflito recente entre forças indianas e chinesas no Himalaia bem que poderia ser catalogado na categoria dos “jabutis”. Afinal, a quem interessaria, a esta altura dos acontecimentos, reacender uma questão de fronteira que segue irresolvida há mais de cinco décadas e cuja solução pode levar outras cinco? Qual fato ou fatos novos fizeram reacender uma velha disputa em momento tão inoportuno, sobretudo para a China que se vê às voltas com a mais grave crise econômica dos últimos 40 anos e sob fogo cerrado dos Estados Unidos?

A crise do Covid-19 tem dado ensejo a muitos erros de cálculo político na Ásia, que podem ter consequências graves. Depois da líder de Taiwan aproveitar a onda de ataques dos Estados Unidos à China para dar novo impulso ao movimento separatista da ilha, a Índia aproveitou-se do mesmo contexto para avançar sobre território chinês em área de disputa histórica de fronteiras nas montanhas do Himalaia. O conflito entre tropas dos dois países deixou 20 militares indianos mortos e um número não divulgado de baixas no lado chinês, aumentando a tensão entre os dois países.

Desde a breve guerra entre China e Índia, em 1962, em razão da mesma disputa fronteiriça, é a primeira vez que escaramuças entre soldados dos dois países na região resulta em mortes. A Índia vem implantando obras de infraestrutura ao longo da fronteira em disputa e construiu parte das instalações no lado chinês da Linha Atual de Controle (LAC), como o próprio primeiro ministro indiano admitiu, ao afirmar que a China não havia invadido território reivindicado pela Índia, desencadeando o atual conflito.

O caminho terrestre pretendido pela China busca contornar o domínio naval dos Estados Unidos nas rotas marítimas.

Os Estados Unidos, que vêm tentando atrair a Índia para sua Estratégia Indo-Pacífico com o objetivo de manter o predomínio militar americano na região e “conter” a China, viram no episódio uma oportunidade de convencer a Índia, que tradicionalmente sempre foi um país “não alinhado”, a escolher um dos lados. Para isso contam também com a simpatia do primeiro ministro indiano, Narendra Modi, um dos líderes mais pró-americanos que a Índia já teve.

Em artigo recente, publicado no site TheDefensePost (https://www.thedefensepost.com/author/inderjeetandatul/), os estudiosos Inderjeet Parmar, professor de política internacional da City University of London, e Atul Bhardwaj, pesquisador honorário na mesma instituição, chamaram atenção para a relação entre o conflito e a estratégia dos Estados Unidos de domínio das rotas marítimas de comércio internacional.

Segundo os autores, “as tensões China-Índia persistirão porque estão ligadas à Guerra Fria EUA-China, que é uma batalha titânica sobre quem dominará o mundo – poder marítimo ou poder terrestre. Os Estados Unidos governam as ondas e estabelecem os termos e condições para a grande maioria do comércio global. A China, por outro lado, está ocupada construindo uma ponte terrestre sobre a Eurásia, o que prejudicaria o domínio marítimo dos EUA”.

Para que o comércio global continue a fluir preferencialmente pelas rotas marítimas, sobre as quais os Estados Unidos têm amplo domínio, herdado dos ingleses, é preciso impedir a qualquer custo a construção de rotas de comércio internacional terrestres que permitam à China realizar seu comércio internacional por caminhos não controlados pela marinha norte-americana.

Desde 2013, a China está empenhada na construção da chamada “Nova Rota da Seda” que está interligando via infraestrutura terrestre, rodoviária e ferroviária, um conjunto de 64 países da Europa, Eurásia, Oriente Médio, Ásia Central e Sudeste Asiático. Um desses projetos é o Corredor Econômico China-Paquistão, que passará próximo à área atual de conflito, e que permitirá uma saída direta da China ao Oceano Índico, rota fundamental para o abastecimento de petróleo para a China, evitando a navegação pelo Estreito de Malaca, no sudeste asiático, sob o controle dos Estados Unidos. Como dizem os autores do trabalho, tal projeto será um ataque direto à estratégia americana de poder marítimo que visa sufocar o transporte mercante chinês no Estreito de Malaca, entre a ilha indonésia de Sumatra e a Malásia.

Para que o comércio mundial siga fluindo pelos oceanos, é fundamental que as fronteiras terrestres permaneçam bloqueadas. Desse modo, o tensionamento nessa sensível área de interconexão entre a Ásia Central e o Sul da Ásia em que China, Índia e Paquistão fazem fronteiras entre si é fundamental para o que o comércio na região continue a fluir pela via marítima “sob o olhar atento das forças navais superiores e da indústria de serviços marítimos. Foi exatamente assim que a energia marítima britânica e americana garantiu que 90% do comércio global continuasse a usar rotas oceânicas”.

1 COMENTÁRIO

  1. Muito bom! Importante conhecermos como se movimentam as forças econômicas no mundo. Até para compreendermos em como elas atuam por cá! Obrigada

Deixe um comentário

Os comentários serão avaliados pela redação. Solicitamos que o debate de ideias seja mantido em nível elevado, à altura da busca de soluções para os problemas nacionais. Não se admitem xingamentos pessoais nem acusações que configurem os crimes de calúnia, injúria e difamação.

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui