Monumento às Bandeiras

O Monumento às Bandeiras, localizado no Parque do Ibirapuera, na cidade de São Paulo, é uma homenagem aos Bandeirantes que desbravaram os sertões do Brasil nos séculos XVII e XVIII. Inaugurado em 1954, de autoria do escultor Victor Brecheret, a obra é um colosso formado por 240 blocos de granito de 50 toneladas cada um, com 11 metros de altura; 8,4 metros de largura; 43,80 metros de profundidade.

Inicialmente concebido para o centenário da Independência do Brasil em 1922 – Brecheret apresentou seu primeiro esboço em 1920 – por vários motivos o trabalho foi concluído 33 anos depois para as celebrações do IV centenário da cidade de São Paulo, em 1954.

Na frente do pedestal, há um mapa com o percurso das Bandeiras desenhado por Afonso de Taunay. Na face esquerda, está inscrito o verso de Cassiano Ricardo: “Glória aos heróis que traçaram/O nosso destino na geografia/Do mundo livre/Sem eles o Brasil não seria grande como é.” Na face direita está o verso de Guilherme de Almeida: “Brandiram achas e empurraram quilhas/Vergando a vertical de Tordesilhas.” A quinta figura de homem à direita, após os cavalos, traz no ombro direito a seguinte inscrição: “Autorretrato do escultor Victor Brecheret, 2/10/1937”. Era Victor Brecheret, italiano de nascimento, brasileiro naturalizado, voluntariamente convertido em Bandeirante.

A bela obra de Brecheret, carinhosamente apelidada pela população de “empurra-empurra”, é a representação de índios, negros, mamelucos e brancos, no esforço de construção da base física do Brasil em plena era dos impérios coloniais. O monumento tem sido alvo de depredação por grupos de vândalos em demonstração de desprezo e desamor pela história e memória do Brasil e do povo brasileiro. O portal Bonifácio faz desta homenagem à obra de Brecheret uma denúncia do abandono da memória e dos monumentos do País.

2 COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

Os comentários serão avaliados pela redação. Solicitamos que o debate de ideias seja mantido em nível elevado, à altura da busca de soluções para os problemas nacionais. Não se admitem xingamentos pessoais nem acusações que configurem os crimes de calúnia, injúria e difamação.

Escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui